• Acesso a Parceiros da Zepol Criação de Sites
O serviço de internet é ruim, mas o acesso aumenta cada dia mais


A internet no Brasil é um problema que ainda não tem solução total. É fato: quem vem de fora afirma que o país tem a pior (e mais cara) internet do mundo; quem vive por aqui, sofre diariamente as mazelas de um serviço que não está dentro dos padrões e que, na maioria das vezes, não cumpre o que promete.
 
O alto custo dos serviços de conexão à internet, oferecidos pelas operadoras brasileiras assustam. Entretanto, a conexão à rede é tão latente e importante para o nosso dia a dia que acabamos arcando com os prejuízos porque não temos escolha – ou opções melhores. 
 
E o foco é a internet banda larga, porque, se formos incluir os serviços móveis, a questão pode ficar ainda pior. No final de 2016, existiam no país, cerca de 30 milhões de conexões físicas à internet. O crescimento chegava perto de um milhão por ano.
 
O investimento em e-commerce, neste cenário, é fundamental: só ano passado, os brasileiros realizaram 58 mil transações digitais por hora. É claro que, mesmo com a qualidade ruim dos serviços de internet, a presença dos brasileiros na rede cresce a cada instante, e isso levanta outras questões.
 
Por já terem de lidar com um serviço ruim (o acesso à internet), as empresas precisam estar atentas ao oferecerem seus próprios serviços. Lojas virtuais mal estruturadas, sites de má qualidade ou que não sejam responsivos, podem fazer com que o cliente perca a estima pela empresa e pelos serviços oferecidos pela mesma.
 
Canais de contato e atendimento devem ser geridos de maneira eficaz para que o cliente nunca fique perdido ou sem informação. As redes sociais também devem ser atrativas para o cliente e para os futuros clientes. Investir em qualidade, certamente será um diferencial para a sua empresa, uma vez que somo bombardeados pela ausência dela em diferentes produtos e serviços que utilizamos diariamente. 
 
O alto volume de acesso à internet é uma realidade há bastante tempo, contudo, ainda tem empresas que não levam a sério. O perfil do consumidor mudou, há mais exigência e as empresas precisam estar preparadas para acompanhar as mudanças de maneira a reter os compradores e atrair novos olhares.